Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

RIR É BEM MELHOR!!!

A MENTE TAL COMO OS PÁRA-QUEDAS FUNCIONAM MELHOR QUANDO ABERTOS!

A MENTE TAL COMO OS PÁRA-QUEDAS FUNCIONAM MELHOR QUANDO ABERTOS!

OS "VELHOS" NAS ALDEIAS

foto do Kok

Têm sempre muito para contar a quem estiver disposto a ouvi-los, os velhotes.

Sentados no paial da casa térrea, num banco à porta da taberna ou nas bordas do chafariz da aldeia, conversam do tempo, das hortas e das pescas, das maleitas que os consomem e às mulheres, dos filhos que estão lá para as cidades grandes, ou dos netos que virão passar com eles uns dias de férias.

Mas o que eles gostam mesmo é de falar, de contar as suas histórias de vida. Mas falar com quem, se todos se conhecem desde moços, de quando andavam à escola!?

Os olhos riem-se-lhes quando um desconhecido se senta junto a eles e lhes pergunta coisas da terra, e lhes responde ao questionário: o nome, de onde é, o que faz por cá, e então a conversa flui e os relatos de vidas correm com intervenções de todos os presentes, divergindo nos factos algumas vezes e noutras nem tanto:

-Eu fui o primeiro namoro da tua Isabel;

-Foste o quê? Dançaste com ela uma vez e pronto. Isso lá é namoro?

E também quem sempre teve melhores uvas, ou laranjas, ou melancias; e quem tinha apanhado o maior polvo quando fizeram aquele passeio à praia; ou quem foi o rei dos bailes das redondezas, que todos frequentavam já que para isso serviam as bicicletas compradas propositadamente…

Os outros dividem-se nas opiniões e ora apoiam um, ora outro ora ainda um terceiro, sempre com um sorriso cúmplice entre eles, pelo puro prazer da contradição, mais virtual do que real.

No final tudo se acerta, acertado que está desde há anos, e termina a conversa com uma rodada de copos de tinto, um ritual que serve para afirmar que a amizade  entre eles continua e que: amanhã cá estaremos para mais histórias, outras ou as mesmas se tal for o caso!

Têm sempre muito para contar, os velhotes das aldeias. Só precisam que os oiçam.

14 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub