Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

RIR É BEM MELHOR!!!

A MENTE TAL COMO OS PÁRA-QUEDAS FUNCIONAM MELHOR QUANDO ABERTOS!

A MENTE TAL COMO OS PÁRA-QUEDAS FUNCIONAM MELHOR QUANDO ABERTOS!

O RUI da FONTE

4º enc SPMoel 14.JPG

Quando inicialmente entramos nesta coisa do virtual é como se caíssemos numa festa onde não conhecemos ninguém. Porém, logo depois, é como se todos se conhecessem. Falamos com este e com aquele, ouvimos esta e mais a outra, e passado algum tempo vemo-nos envolvidos com aquela e aquele, falamos do que nos apetece e discordamos do que não concordamos, rimo-nos das parvoíces de alguns, das nossas e das dos outros, e porque todos nos respeitamos as amizades inicialmente virtuais vão-se transformando gradualmente nas reais amizades que nos unem, (quem diria), somente porque existe uma blogosfera que é uma espécie de sala de encontros para desconhecidos.

Havia outra hipótese de tu e eu nos conhecermos? Não sabemos! Mas decerto que perderíamos a hipótese de nos encontrarmos se a tal blogosfera não tivesse surgido e nós não nos tivéssemos interessado por ela. Agora já não há nada a fazer para inverter a situaçõn. E particularizando a nossa situaçõn devo referir que depois do 1º encontro (em Lisboa) e no decorrer dos anos que se passaram (foram 6?, foram 7?) quero dizer-te do muito que te admiro e que o tal respeito é a maior e melhor base para se edificar uma relação amizade, a nossa amizade! Talvez não nos voltemos a encontrar (há quem afirme que é possível contudo eu não embarco numa dessas; todavia e não vá o diabo tecê-las) mas se tal acontecer já sabes que te pespegarei com um monumental XÔXO e + Akele abraço pah!

 

§-este ano trocaste-me as voltas: desta vez em que eu estava preparado (contra o que é habitual) para te dar os parabéns na data exacta de completares mais um aniversário, partiste. Estou magoado meu amigo, e não é porque as velas do bolo continuam acesas. Estou magoado porque... olha, porque sinto a falta física de um amigo que não devia ter partido de Ermesinde com bilhete só de ida.

AS TENTAÇÕNS

Maçã P1040717.JPG

A história é antiga e contada vezes sem conta. Os personagens são demais conhecidos: o Adão, a Eva, a cobra e deus, muito embora este último só se tenha revelado no fim e (note-se) após consumado o acto. (ou será que esteve espreitando, tipo voyeur?). E precisamente porque o acto se consumou o casal foi expulso do paraíso; não consta que a maior culpada, a cobra, tenha sido igualmente expulsa. Manhosa, deixou-se ficar enroscada na macieira e é mais que certo ainda lá estar, ela ou uma familiar directa ou prima por afinidade. É por isso que, sempre que alguém me oferece uma maçã, eu olho em redor antes de a trincar não vá surgir algum deus para me atazanar expulsando-me do galinheiro que, não sendo um paraíso, sempre é melhor do que ficar na rua. Não é que eu acredite mas como dizem que deus está em todo o lado... mais vale prevenir, né?

E OS CULPADOS?

Tal como no caso dos chapéus, culpados há muitos mas tudo depende da culpa, de quem é o culpado e do que é que é culpado.

Hoje, 17.Julho, ouvi/li que o governo já indemenizou as famílias dos que morreram devido à derrocada da estrada entre pedreiras, em Borba. A mesma notícia revela que os responsáveis (se apurada a culpa no caso de serem encontrados na sequência da investigação que continua a decorrer), serão obrigados a devolver ao governo (ou estado? é tudo o mesmo ou...?) os valores agora pagos.

Então e não é que logo pensei em gestores bancários? Será que também eles serão obrigados a devolver ao governo/estado os valores pagos para manterem os seus bancos a funcionar (mal) em virtude das suas péssimas gestões e, por isso, em risco de falência?

E os super-visores bancários? Estes coitados assoberbados com a correspondência será que podem pedir reembolso pelos gastos em selos e sobrescritos? Ou deveriam devolver na totalidade as remunerações que usufruiram, por não terem feito o que tinham obrigação de fazer?

O Político

Já os políticos (sempre culpados, evidentemente) terão algumas atenuantes devido à conjuntura que sempre (ou quase sempre, o que vai dar no mesmo), acontece e os impede de cumprirem o que prometem. Mas há uma coisa que nunca sabemos: é aquela coisa das moradas falsas; quando são descobertas será que eles/elas devolvem os valores recebidos ou, à boa maneira portuguesa, fica tudo em águas de bacalhau?

Nestes casos os presidentes da Assembleia não tem nada a dizer?, não tem nenhuma forma de agir? Mas o dinheirinho não é o deles porque haveriam de se preocupar...

Tal como no caso dos chapéus, culpados há muitos porém e sem surpresa, há culpados que são mais culpados que outros.

COISAS QUE ELES DIZEM (*)

Locutor 01

Quando por razões diversas assisto a emissões televisivas aprendo fases e ideias que jamais pensaria ouvir de profissionais da palavra, isto é, dos locutores/jornalistas que entram casa adentro para contarem o que se passa pelas redondezas, ou seja, desde a minha rua até ao fim do mundo. (só deste mundo; não venham cá com outras ideias...)

Eis as  pérolas algumas das quais ditas pelos mais conceituados da nossa praça (e que as repetem actual e constantamente); quem estiver atento decerto que as ouvirá.

- ... é algo kadóro (em vez de: que adoro).

-... ukékagora vão fazer? (em vez de: o que é que agora).

-... é algo que nakérkakábe (em vez de: não quer que acabe).

-... fazer konkája... (em vez de: fazer com que haja).

-... que segredos tarão ainda por descobrir (em vez de: que segredos estarão ainda...).

-... estou aqui neste lugar onde me encontro... (onde senão aí mesmo?).

-... matou ao todo pelo menos 12 pessoas (era suposto matar mais? menos?).

-... sempre constantemente... (ou: de vez enquanto, alternadamente?).

-... agora neste momento... (ontem? amanhã? ou talvez depois?).

-... assegurar a segurança. (em alternativa a ???).

-... está aqui um barulho muito ruidoso... (o contrário de um silêncio que não se ouve?).

-... Santa Maria, a ilha mais velha dos Açores. (ao invés da azinheira que não sabia a idade?).

Sei que noutros tempos os jornalistas escreviam os textos das notícias que depois liam frente às câmaras. Hoje (há quem diga: hoje em dia) são outros que escrevem e os ditos "pivots" são uma espécie de papagaios, ignorando previamente o que vão transmitir frente às câmaras. Isso explica os erros de linguagem que cometem mas não os justifica porque eles são (ou deveriam ser) profissionais da palavra e não meros (já o disse) papagaios.

(*) como já estou farto de ouvir sublinhados ditos correctos para supostamente não ferirem susceptibilidades de géneros este título é global/genérico. Quem não gostar assim peça outra coisa; um peito de frango grelhado ou uma salada com tofu, por exemplo.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D