Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

RIR É BEM MELHOR!!!

A MENTE TAL COMO OS PÁRA-QUEDAS FUNCIONAM MELHOR QUANDO ABERTOS!

A MENTE TAL COMO OS PÁRA-QUEDAS FUNCIONAM MELHOR QUANDO ABERTOS!

SAIDA À PRESSA!!!


Nem sei bem como foi mas o que é certo é que saí de casa a correr, atravessei a rua sem olhar e katrapum, ficou tudo escuro para mim!
Numa palavra, fui atropelado e morri!!
Logo, logo, ali!
Não houve vizinha que me avisasse;
Não houve guincho de travões que me alertasse;
Não houve, nada, enfim, que me parasse antes de levar aquele porradão que me apagou a centralina.
Morri e pronto!
Acabei prostrado, meio na rua, meio no passeio!
Estranhamente, não senti nada.
Nem dor! Nem medo! Nem … nada, absolutamente nada!
E pensei (penso eu), então isto não dói?
Que raio de morte a minha que nem me doeu…!
É verdade que tinha um “galo” na mona, mesmo por cima do olho esquerdo, mas isso…vais perder tempo com isso? Caga no assunto, pah! 
De súbito, apercebi-me que o meu corpo estava rodeado de gente e o meu vizinho Mário (por razões que só ele saberá), abanava-me insistentemente ao mesmo tempo que me gritava aos ouvidos: oh vizinho, oh vizinho…, tá-me a óvir?
Que raio de porra!
Eu não ouvia a ponta de um corno…
Eis senão quando chegam uns gajos vestidos de branco, gritam e correm com toda a gente, (inclusive com o Mário abanador), viram-me de “papo pó ar” e começam a dar-me uns tabefes e uns murros no peito ao mesmo tempo que diziam:
-Eh pá, este já foi…
Ora eu que ainda estava ali, deitado no empedrado e sem responder a todas aqueles agressões, pensei:
-Já fui? Hum! Devem estar a falar de outra pessoa…, se calhar do gajo que me atropelou! 
Um dos gajos de branco foi ao carro buscar umas bolachas metálicas e tungas, acertou-me com elas na peitaça.
Não sei o que ele estava esperando, mas o que é certo que não lhe deve ter saído o que ele queria, pois teimou e teimou e teimou enquanto eu dava saltos que nem uma corça.
Oh que caraças!
Eu ali deitado e os gajos sem me darem descanso.
Sinceramente!
Finalmente apareceram os bombeiros, (ainda bem porque o meu vizinho da frente é bombeiro e sempre é um conhecimento que não se deve desprezar, numa altura destas);
Olharam-se todos fixamente, os de bata branca mais os bombeiros mais toda a vizinhança e encolhendo os ombros, uns baldaram-se, os vizinhos desabulharam e os bombeiros agarraram em mim, puseram-me numa maca velha a cheirar a mofo (como é que eu cheirei a porra da maca se já estava morto?), e levaram-me para a morgue do hospital onde me “engavetaram”.
Foda-se! As gavetas da morgue são frias, porra. Mas frias mesmo!
Eu sei que não devia dizer estas coisas, mas de facto, estava lá um fio do car…(ai) do caraças…
Comecei logo a gelar!
Deixei de sentir os dedos dos pés e os pés; os “tomates” nem se fala; e a bochechas do cu pareciam pedras de granito, tão rijas estavam.
Passei lá uma noite inteirinha.
De manhã puxaram-me para fora e um gajo de óculos a tresandar a tabaco olhou para mim, espetou-me uma faca nos peitos e vá de me abrir até ao umbigo.
Entretanto outro diz-lhe: oh pá o gajo patinou ca pancada na mona; deixa lá as vísceras…
Foi aqui que percebi que estavam a fazer-me a autópsia.
Mas eu estava cansado por uma noite sem dormir e acabei por adormecer…
Já não ouvi mais nada.
Até que…
Até que acordei com um intenso cheiro a cera misturado com odores de flores várias!
A cama onde estava deito, até que não era desconfortável, mas todos aqueles cheiros misturados… deixaram-me enjoado!
Sinceramente não gostei.
Mas como não era eu a pagar…, que seguisse a festa.
À minha volta umas quantas cadeiras ocupadas por gente que eu mal conhecia de ver a palminhar lá no bairro.
O meu vizinho Mário mais uns quantos outros, estavam à porta e fumarem e a rirem-se das anedotas que contavam uns aos outros;
Uma velha de quem eu nunca gostei resmungava para quem quisesse ouvir que eu era um antipático, que só falava a quem queria (ora bem), e que nunca lhe tinha pago um cafezito, sequer!
O gosma, um bêbado lá do bairro que estava sempre à espreita de alguém que lhe pagasse qualquer coisa, estava encostado à minha cama (pudera, se não se encostasse, caia), e balbuciava palavras sem nexo.
De súbito o vizinho Mário disse: é meia-noite, pessoal!
Levantaram-se todos e saíram de mansinho.
As luzes apagaram-se e ali fiquei eu, só e abandonado.
Sem nada que fazer, adormeci profundamente!
Já ia alto o sol quando acordei aos solavancos, transportado por uns tipos que eu nunca tinha visto, todos vestidos de negro (não sei porquê lembrei-me do w.smith), que depositaram a minha camita no chão ao mesmo tempo que um padreco falava de coisa e loisas lá da vida dele e que supostamente teriam que ver com a minha.
Acabado o discurso meteram-me numa cave, (sem arejamento nem luz directa), e taparam-na aparentemente para que não houvessem dúvidas de que eu iria ali ficar.
Por cima puseram as flores e debandaram, cada um à sua vida.
E pronto; lá fiquei eu que é onde ainda estou à mais de quatro anos.
Devo dizer que a memória já me prega partidas; já não me lembro bem qual foi a ultima vez que fui à bola, nem quem ganhou o último campeonato;
Não me lembro, também do nome a minha vizinha que de vez em quando ia lá a casa, à noite, para desabafar comigo das coisas que o marido lhe fazia; mas lembro-me que ela só lá ia quando o marido (que era embarcadiço num navio de cruzeiros) estava fora.
Eu sei perfeitamente que morri, mas estou muito melhor!
Já não fumo nem bebo, (colesterol nem pensar) e estou muito mais magro.
Afinal isto de um gajo morrer não é assim tão mau.
eheheheh!!!

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D