Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

RIR É BEM MELHOR!!!

A MENTE TAL COMO OS PÁRA-QUEDAS FUNCIONAM MELHOR QUANDO ABERTOS!

A MENTE TAL COMO OS PÁRA-QUEDAS FUNCIONAM MELHOR QUANDO ABERTOS!

O PRESIDIÁRIO

 (ilustração de: horamadeira.blogs.sapo.pt)

Os ruídos chegavam-me de muito longe. Como se viessem filtrados por cortinas de grosso tecido, umas a seguir a outras. Ouvia perto de mim o som de passos, alguns arrastados, do que parecia serem pessoas leves, pois o som desses passos era quase um sussurro! Também escutava vozes. Umas lamurientas que quase me falavam ao ouvido, outras esganiçadas de mulheres que gritavam lá longe e algumas, poucas, fortes e roucas que anunciavam autoridade e poder! Queria saber onde estava mas os meus olhos não se abriam. Quis levantar-me mas fiquei-me pela vontade. Parecia que o cérebro perdera o comando dos meus movimentos. Mais atento e habituado aos ruídos que me circundavam parecia que tinham retirados as tais cortinas, uma a uma e gradualmente pois momento a momento já ia sendo possível ouvir com clareza o que me rodeava. Todavia ainda não estava verdadeiramente ciente. Ouvia o pingar cadenciado de um líquido: ping… ping… ping…, sentia o cheiro a fumo de tabacos e de outras ervas misturado com um forte odor a mijo!
Consegui mexer-me ligeiramente. Movi a cabeça numa tentativa de minorar a dor que sentia no pescoço e também para libertar um braço que percebi estar a servir-me de travesseiro. Aqueles passos sussurrados calaram-se de imediato. Abri os olhos! Finalmente! Na minha frente estava um amontoado de rostos magros e inexpressivos semelhantes aqueles animais noctívagos pois o que mais sobressaía eram os olhos esbugalhados que me miravam numa mistura de curiosidade e espanto. Olhei em redor e lá estava a torneira pingando e ao lado um urinol que transbordava o conteúdo. Por sobre os ombros daqueles vultos que me rodeavam lá estava o gradeamento.
Percebi finalmente onde estava. Estava preso!
Com um esforço titânico consegui levantar-me e aproximar-me do gradeamento, por entre os outros presos que se iam afastando e procurando outro pólo de interesse já que eu deixei de o ser desde o momento que me levantei. Iam caminhando em volta da cela naqueles passos sussurrados que já mal ouvia. Pelo corredor ecoavam as vozes das mulheres que, percebia-se, reclamavam a libertação de amigos, filhos, maridos ou chulos caçados como eu fora na noite que terminara há pouco.
Ainda meio entorpecido gritei: Guarda! Nem um pio saiu da minha garganta. Estava afónico! Bonito, pensei. Agarrei numa lata vazia, de cerveja, parcialmente pisada que estava no chão e batendo com ela no gradeamento insisti: guardaaaa! Qual quê! Nada, nem uma sílaba para amostra!
Mas a lata cumpriu a sua obrigação porque um polícia apareceu e batendo fortemente com os tacões das botas no chão do corredor, gritou com voz forte e rouca: O que é que se passa aqui? Ao mesmo tempo que batia com o casse-tête nas barras do gradeamento e por pouco, muito pouco não me acertou nas falanges, falanginhas e falangetas que eu deixara displicentemente agarrando parte do gradeamento.
Recuei! Recuámos todos!
Disse: sr. Agente, eu não sei como aqui vim parar nem porquê e …
-Não sabe? Olhe nem eu que entrei agora ao serviço.
-Mas eu sou…, caramba!, eu não sabia quem eu era.
O polícia ainda demorou um pouco a olhar-me esperando que eu acabasse a frase, mas como eu nada mais dissesse bateu uma vez mais no gradeamento, deu meia volta e foi-se!
Comecei a dar voltas ao miolo procurando-me e em simultâneo tentando saber porque estava eu ali. Mas nada! Nada de nada!
Pouco depois meteram-nos num carro celular a caminho do tribunal onde eu confiava que finalmente se deslindaria a “coisa”. Puro engano! Fomos metidos numa sala de onde saía um de cada vez quando chamavam o respectivo nome, e à mesma sala voltavam depois de presentes ao juiz. A mim nunca me chamaram! Acho eu! Finalizados os tramites voltámos ao carro celular a caminho da choldra! Chegados, fomos contados após o que nos colocaram aos pares em celas individuais de dois. A mim calhou-me aparelhar com um velho meio cego e quase surdo e que falava muito sozinho. Eu acho que ele fazia perguntas às quais respondia precipitadamente. Até discutia com ele próprio, possivelmente porque ele respondera torto e ele mesmo.
E eu cá estou! Como ninguém sabe quem eu sou, nem mesmo eu, já estou preso há mais de dez anos numa cadeia que nem sei onde é; como e bebo todos os dias e várias vezes ao dia, e não faço a ponta de um corno.
Já nem me questiono a saber quem sou! E a reclamar muito menos! Acho que até poderia ser preso por estar a abusar da justiça e do sistema prisional!

9 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D