Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

RIR É BEM MELHOR!!!

A MENTE TAL COMO OS PÁRA-QUEDAS FUNCIONAM MELHOR QUANDO ABERTOS!

A MENTE TAL COMO OS PÁRA-QUEDAS FUNCIONAM MELHOR QUANDO ABERTOS!

O PAI NATAL PASSOU POR CÁ.

Parece que não há Natal em que não surja a sacrosanta pergunta:

-Acreditas no Pai Natal?

-Se eu acredito no pai Natal? Já acreditei e depois não acreditei e agora “tem dias”!

-Porquê? Achas que o gajo existe mesmo?

-Evidentemente! Queres uma prova disso? A prova é esta:

Apesar da sacana da crise dispus-me a comprar presentes para familiares e amigos com a ideia de fazer um Natal à antiga, ou seja, toda a gente deixando um sapato na chaminé e por ali foram espalhadas as prendas, cada uma com o nome do destinatário, tudo muito organizado para que (por exemplo) o body transparente não calhasse à avozinha caquética em vez de à Irina Katrinoveva, a ucraniana auxiliar de tarefas domésticas.

Neste caso e na falta de uma verdadeira chaminé, ficou a cozinha “cheia” de sapatos, fechando-se a porta respectiva e deixando semi-aberta a minúscula janela junto do exaustor para que o pai Natal pudesse entrar e sair, (apesar da sua enorme barriga).

E para evitar “tentações nocturnas” guardei eu a chave.

Num ápice chegou a manhã de Natal.

Chiça, (foi o meu primeiro pensamento), já é dia?

Mais coisa, menos coisa, e depois de algum engarrafamento junto dos dois WC’s, abri a porta da cozinha para… para ver-mos os papéis coloridos que embrulhavam as prendas, espalhados pelo chão; das prendas nem rastro.

Tudo desapareceu: as peúgas de lã do avô Manuel, a camisa de noite, de flanela, da avó Maria, o portátil que eu me ofereci, o lenço de seda da prima Josefa, os brincos e o anel da minha mulher, etc., etc.! Até o body da ucraniana e ainda dois sapatos de salto alto de pares diferentes e também uma bota do avô Manuel e um ténis dos meus.

À laia de troca, encontrámos no meio dos papéis de embrulho um par de botas já muito  gastas e duas meias listadas branco e vermelhas, tão rotas que só cobririam o calcanhar o tornozelo e pouco mais.

-Òh mãe onde tá a consola de jogos?, berrava o André de 11 anos, filho da Josefa.

-Sinhôr, Sinhôr, a meu body?  Onde é a meu body?

-Shiu… como é transparente não se vê, mas depois eu mostro-te! (porque no te callas?)

Conclusão: que o pai Natal passou por cá, passou!

Deixou prendas? Não! Levou-as!!!

É por isto que depois deste Natal sempre que me perguntarem:

-Acreditas no pai Natal?

-Sim; agora tem dias em que acredito!

nota importante: que eu saiba, nada disto não aconteceu!

nota mais ou menos importante: qualquer semelhança com alguma realidade parecida com este pai Natalnão será mais do que uma coincidência.

nota muito importante: se acontecer não tenho quaisquer responsabilidades no caso!

ilustração copiada de: cata-letras.

DETESTO O NATAL.

E ninguém tem nada com isso! Porque não lhe acho piada nenhuma nem percebo tanta euforia das pessoas numa correria para tudo quanto é loja, para comprarem coisas de que gostam para oferecerem a quem até pode nem gostar do raio da prenda. É que até parece andar tudo doente numa sofreguidão colectiva. Mas não é o meu caso. Eu prefiro que me deixem sossegado, e se fosse possível que nem se lembrassem que eu existo. Mas não tenho sorte nenhuma. Há sempre alguém com ideias que considera de bom gosto e não me deixa em paz. Sobretudo, nem me falem num Natal recheado de coisas boas!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E escusam de vir com a treta do costume:

-Gostamos imenso que estejas presente à mesa da consoada.

Dispenso! Detesto o Natal! Não me falem no Natal! Irra!

http://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/B3502fac4/16403279_OG4b4.jpeg

NATAL, NATAL...

... "a quanto obrigas"!

Ele é compras de presentes,

Ele é filhoses, sonhos e cuscurões (que raio de nome),

Ele é brinquedos para crianças que os usam uma ou duas vezes e ficam fartas,

Ele é os bonecos do presépio e o pinheiro carregado de bolas e fitas coloridas e demais enfeites,

Ele é telefonemas ou mensagens ou viagens,

Ele é um frio de rachar (não és só tu –Catarina nem tu Gix- que o "aturam"),

Ele é um jantar mais elaborado que se "estende" até ao almoço do dia seguinte,

Ele é as missas e as rezas (não contem comigo para a missa do galo)

lagarto, lagarto, lagarto+3 batidas na madeira: tok tok tok,

Ele é...

Bolas! Ele é tanta coisa que só de pensar nisso fico cansado.

O menino não podia ter nascido em Agosto?

Cansava-me na mesma; mas a festa era outra e não seria nacessária tanta roupa!

GALINHA DOS OVOS d'OIRO

Há certamente quem não se lembre dos bancos (dos que guardam dinheiro) com balcões de atendimento espalhados por variados locais e onde “a gente” tinha que ir para sacar uma parte ou a totalidade do dinheiro (do nosso dinheiro) que lá tínhamos depositado, preenchendo um cheque, apresentando-o ao caixa, e mostrando o BI para ele ver que éramos o próprio.

É verdade que havia quem nem para abrir conta num banco tivesse dinheiro, mas isso é assunto para outra postagem; para outros lamentos!

Chegado o tempo dos “buracos nas paredes, as atm’s” os bancos ofereceram cartões (mediante anuidades cujos valores foram aumentando), permitindo o levantamento de dinheiro onde quer que houvesse uma atm e com isso possibilitando-lhes diminuir o número de trabalhadores e, consequentemente, das inerentes despesas.

Também comprar com esses cartões era uma facilidade, sobretudo porque beneficiavam de uma comissão sacada a quem aceitava vender e ser pago com cartão.

E a coisa era tão boa que permitiu ganhos aos bancos mas também a uma nova entidade que foi constituída propositadamente para emitir/conceder os tais cartões.

Ou seja, ganhavam (ganham) todos com o dinheiro que não é deles.

As gasolineiras tanto deram ao rabo que conseguiram que sejam os consumidores a pagar uma taxa para abastecerem as viaturas, mas não os vulgares comerciantes e nem os consumidores, que não têm a força daquelas para fazer valer os seus objectivos.

Surpreendentemente (ou talvez não) no caso de um cartão ser perdido ou roubado e usado fraudulentamente, os bancos não assumem quaisquer responsabilidades.

Os tempos mudam e com eles aumentam os interesses (gananciosos) bancários que não contentes com o que ganham com o dinheiro dos depositantes procuram outras formas de mais lucros obterem, cavando e esgravatando até ao osso, numa avidez sem limites.

Não é que pense serem os banqueiros uma espécie do camponês que Esopo* retratou e cuja avidez o levou a matar a galinha dos ovos d’oiro. Mas pelo meu ponto de vista não deixa de haver uma certa similaridade nesta nova casta de tios Patinha, a quem já não basta mergulhar no dinheiro que possuem; o lucrarem com o dinheiro dos outros sem olhar a meios, é-lhes vital para a sua existência.

Até ao dia em que (tendo os que lucraram, os seus lucros bem guardados) já não haja por onde espremer.

 

*uma ligeira referência erudita para que isto não se resuma num simples lamento discordante pela forma (e conteúdo) de como a sociedade está a ser conduzida.

ilustração copiada de: elo7.com.br

MAIS VALE SÊ-LO...

...DO QUE PARECÊ-LO!

este provérbio popular português aplica-se na íntegra a Nelson Mandela, pois foi de facto um Homem completo no pensamento e na defesa das suas convicções. E teve a felicidade de viver o tempo minimamente suficiente para ver cumpridos (pelo menos) parte dos resultados dos propósitos a que dedicou (quase) todos os seus dias.

Num mundo cujo principal (e único objectivo?) é o lucro imediático, independentemente de como é obtido, Nelson Mandela foi capaz de ir mais além e apontar outro caminho. É ele a principal figura do século XX? Não sei, mas sei que é seguramente uma delas, tal como foi Ghandi, por exemplo. E não é possível pensar em Mandela sem recordar a sua declaração em tribunal, de onde resultou a prisão a que foi condenado.

Disse: "Sempre sonhei com o ideal de uma sociedade livre e democrática, na qual as pessoas possam viver juntas em harmonia e com igualdade de oportunidades. É um ideal pelo qual espero viver e, se for necessário, é um ideal pelo qual estou disposto a morrer".

Uma grandeza de espírito que não assiste a todos os que têm algum poder mas que (pelo menos) deveriam tentar.

1 de Dezembro, dia da RESTAURAÇÃO!

Há 373 anos que mataram o Miguel de Vasconcelos, segundo consta escondido dentro de um armário, sendo depois atirado janela fora ao encontro do lagedo do Terreiro do Paço, (baptisado depois como Praça do Comércio), onde a populaça o voltou a matar com uma carga de porrada que o deixou ainda mais morto. 

Corrida que foi a monarquia espanhola voltou a realeza portuguesa de que D. João IV foi o primeiro rei da 4ª dinastia.

Estou eu (que nem sou monarquico), a escrever sobre isto, porquê?

Porque me deu na bolha (uma razão tão boa como qualquer outra, na minha perspectiva) e também porque me lembrei de ser este dia um feriado nacional que foi instituido precisamente para assinalar um acontecimento importante no crescimento e na identidade de um país.

Mas, pasme-se: um governo decidiu que isto seria uma espécie de "mariquice" institucional e decretou eliminar esta data como feriado nacional e que quem quiser celebrá-lo que o faça no domingo seguinte. Ou, quem sabe, numa outra qualquer data de Dezembro ou de Julho ou de Agosto.

Surpreende é ouvir declarações de ministros a propósito da recuperação da economia, exaltando o contributo das exportações (até falam em milagres), esquecendo porém os quatro feriados que deixaram de o ser precisamente para aumentarem a produção nacional!

Lembro-me do que me disse um amigo: não é só no circo que há palhaços...

E ele, que trabalhava num circo, sabia do que falava: era Palhaço!

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D