Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

RIR É BEM MELHOR!!!

A MENTE TAL COMO OS PÁRA-QUEDAS FUNCIONAM MELHOR QUANDO ABERTOS!

A MENTE TAL COMO OS PÁRA-QUEDAS FUNCIONAM MELHOR QUANDO ABERTOS!

GALINHA DOS OVOS d'OIRO

Há certamente quem não se lembre dos bancos (dos que guardam dinheiro) com balcões de atendimento espalhados por variados locais e onde “a gente” tinha que ir para sacar uma parte ou a totalidade do dinheiro (do nosso dinheiro) que lá tínhamos depositado, preenchendo um cheque, apresentando-o ao caixa, e mostrando o BI para ele ver que éramos o próprio.

É verdade que havia quem nem para abrir conta num banco tivesse dinheiro, mas isso é assunto para outra postagem; para outros lamentos!

Chegado o tempo dos “buracos nas paredes, as atm’s” os bancos ofereceram cartões (mediante anuidades cujos valores foram aumentando), permitindo o levantamento de dinheiro onde quer que houvesse uma atm e com isso possibilitando-lhes diminuir o número de trabalhadores e, consequentemente, das inerentes despesas.

Também comprar com esses cartões era uma facilidade, sobretudo porque beneficiavam de uma comissão sacada a quem aceitava vender e ser pago com cartão.

E a coisa era tão boa que permitiu ganhos aos bancos mas também a uma nova entidade que foi constituída propositadamente para emitir/conceder os tais cartões.

Ou seja, ganhavam (ganham) todos com o dinheiro que não é deles.

As gasolineiras tanto deram ao rabo que conseguiram que sejam os consumidores a pagar uma taxa para abastecerem as viaturas, mas não os vulgares comerciantes e nem os consumidores, que não têm a força daquelas para fazer valer os seus objectivos.

Surpreendentemente (ou talvez não) no caso de um cartão ser perdido ou roubado e usado fraudulentamente, os bancos não assumem quaisquer responsabilidades.

Os tempos mudam e com eles aumentam os interesses (gananciosos) bancários que não contentes com o que ganham com o dinheiro dos depositantes procuram outras formas de mais lucros obterem, cavando e esgravatando até ao osso, numa avidez sem limites.

Não é que pense serem os banqueiros uma espécie do camponês que Esopo* retratou e cuja avidez o levou a matar a galinha dos ovos d’oiro. Mas pelo meu ponto de vista não deixa de haver uma certa similaridade nesta nova casta de tios Patinha, a quem já não basta mergulhar no dinheiro que possuem; o lucrarem com o dinheiro dos outros sem olhar a meios, é-lhes vital para a sua existência.

Até ao dia em que (tendo os que lucraram, os seus lucros bem guardados) já não haja por onde espremer.

 

*uma ligeira referência erudita para que isto não se resuma num simples lamento discordante pela forma (e conteúdo) de como a sociedade está a ser conduzida.

ilustração copiada de: elo7.com.br

14 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D